Se Liga na Rua! – SEMANA #22

Oi pessoal!

Agora que o Carnaval passou, que tal acompanhar o que anda acontecendo com a População em Situação de Rua pelo mundo? O Se Liga na Rua está aqui para te ajudar com isso! Hoje, vamos dar continuidade a nossa seleção semanal de notícias e matérias sobre a poprua, refletindo um pouco sobre os programas que estão sendo lançados para populações em vulnerabilidade social, a violência constante da polícia e o aumento de pessoas morando nas ruas em países europeus.

Em João Pessoa, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), divulgou no começo do mês de fevereiro, o lançamento do programa “Mais” – sigla para Mobilização, Assistência e Integração Social. Por conta disso, a cidade contará com a implantação do primeiro Albergue Noturno da cidade.O programa Mais também implantará o Centro de Assistência e Integração Social (Cais), que integrará 13 serviços realizados pela Sedes em um único espaço, além de investir em açÕes de entidades parceiras que trabalham com crianças, adolescentes, idosos e pessoas com deficiência, por meio do edital Vida Melhor.
Saiba mais em: http://www.joaopessoa.pb.gov.br/sedes-lanca-programa-mais-com-primeiro-albergue-noturno-fernanda-benvenutty-para-populacao-de-rua/

Em Minas Gerais, durante o Carnaval, um homem foi agredido pela PM ao questionar a truculência da abordagem policial com uma pessoa em situação de rua. Daniel Machado Rodrigues afirmou que voltava de um show em Belo Horizonte na madrugada do sábado (22/02), quando se deparou com a situação. Ao site Ponte, ele afirmou: “O homem aparentava estar em situação de rua e eu interpelei o motivo daquela abordagem, disse que não podia ser assim. Aí o policial disse: ‘Então você é valentão?’ E começou a me agredir”. Após isso, ele foi levado a um batalhão da tropa, onde sofreu mais violência, até ser encarcerado em uma delegacia. Em nota enviada ao site Ponte, a PM afirmou que o engenheiro cometeu desacato, além de ter agredido policiais.
Acesse a matéria completa no link: https://ponte.org/questionei-a-truculencia-de-um-pm-com-um-morador-de-rua-e-fui-agredido/

No Reino Unido, os números oficiais e os divulgados por pesquisas dos meios de comunicação a respeito do total equivalente a pessoas em situação de rua no país não estão batendo. Segundo uma pesquisa realizada pela BBC, mais de 28.000 pessoas no Reino Unido foram gravadas dormindo duramente em 12 meses. Já os dados divulgados pelo governo en 2018 (e que ainda serão atualizados), revelam que 4.677 pessoas dormiram mal na Inglaterra na única noite em que a pesquisa de instantâneos foi realizada. O secretário de habitação John Healey demandou uma investigação acerca as estatísticas oficiais do governo, afirmando que os números expostos confirma, um aumento vergonhoso de população em situação de rua no país. Um dos pontos mais interessantes pontuados pala BBC é que, segundo Jane Cranston, presidente do Oxford Homeless Movement, é que muitas dessas pessoas em vulnerabilidade têm empregos, mas moram nas ruas porque as propriedades são muito caras no Reino Unido.
Leia a reportagem completa: https://www.bbc.com/news/uk-england-51398425

Ficamos por aqui, mas semana que vem estamos de volta. Até lá, não deixe de ficar atento ao que acontece com a pop rua! Até mais!

Se Liga na Rua! – SEMANA #21

Autoras: Urânia Flores e Daniela Linkevicius

Olá pessoal!

Iniciamos mais uma edição do Se Liga na Rua, em que reservamos uns minutinhos do nosso dia para nos informar sobre a População em Situação de Rua, no Brasil e no mundo! Hoje, nossa seleção conta com discussões sobre as consequências que as ações de revitalização das cidades têm para a poprua, políticas públicas, e soluções criativas quem podem ajudar alguns dos problemas que mais afetam quem mora na rua.

Em Guaianases, zona leste de São Paulo, a subprefeitura colocou pedras e grades nas calçadas sob o viaduto Deputado Antônio Sylvio Bueno para dificultar a presença de pessoas em situação de rua no local. Segundo reportagem publicada na Folha de São Paulo, em um primeiro momento foram posicionadas pedras grandes embaixo do viaduto. Depois, portões e grades foram adicionados para cercar as pedras. Moradores da região afirmaram que o local, ao proteger da chuva e vento, era habitado por cerca de 20 pessoas. As ações começaram após o início de um projeto de revitalização da região. Todavia, Nabil Bonduki, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na USP, alertou que “uma ação de ‘revitalização’ significa dar ‘vida’, o que não acontece quando se restringe acessos”.
Leia a reportagem na íntegra: https://agora.folha.uol.com.br/sao-paulo/2020/02/subprefeitura-na-zona-leste-de-sp-cerca-viaduto-para-afastar-moradores-de-rua.shtml?fbclid=IwAR0gKJTorpsyvfuVq0favxE3Sh0_bW0j1ImKm19KdgeQUaPQshtR4wHZvXM

Já no Piauí, foi sancionada a lei que implementa a Política Estadual para a População em Situação de Rua. A lei facilitará a articulação entre diferentes poderes e entidades envolvidas com trabalhos de assistência social para a População em Situação de Rua, assegurando acesso desta população às políticas públicas, serviços de saúde, educação e segurança. De acordo com o site PensarPiauí, uma estimativa do Conselho Estadual de Direitos Humanos calculou que o estado tem, atualmente, mais de 900 pessoas em situação de rua – número que contrasta com os atendimentos prestados a poprua os quais, somente na capital Teresina, ultrapassam os mil.
Acesse a notícia completa no link: https://pensarpiaui.com/noticia/piaui-cria-politica-estadual-para-populacao-em-situacao-de-rua.html

No que diz respeito a iniciativas que tentam encarar os problemas da População em Situação de Rua, o designer de moda holandês Bas Timmer criou uma jaqueta quente, à prova d’água e de vento para pessoas que estão em situação de rua. A jaqueta, que se chama Sheltersuit, também se transforma em um saco de dormir e vem com uma mochila que facilita seu transporte. Timmer começou a pensar na produção de roupas térmicas e eficientes para a PopRua após trabalhar como estagiário na indústria de moda em Copenhagen, Dinamarca. Lá, ele notou a presença de muitas pessoas em situação de rua. Desde sua criação, a fundação de Timmer já distribuiu 10.000 jaquetas na Europa. Neste ano, sua meta é distribuir 100.000 ao redor do mundo.
Para saber mais, acesse: https://mashable.com/article/fashion-designer-portable-shelter-homeless-people/?europe=true

Ficamos por aqui! Esperamos que vocês tenham aproveitado a leitura. Semana que vem estamos de volta. Até breve!

Se Liga na Rua! – SEMANA #20

Autoras: Urânia Flores e Daniela Linkevicius

É hora de dar início a mais um Se Liga na Rua e ficar por dentro das discussões sobre a População em Situação de Rua…vem refletir um pouquinho com a gente!

Nesta semana, a pauta gira em torno da saúde e higiene das pessoas em situação de vulnerabilidade no Brasil, racismo, além de perceber o que está acontecendo ao redor do mundo – hoje, vamos entender o panorama que está se desenvolvendo em Paris.

Um relatório elaborado em dezembro de 2019 pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo, após visitas a abrigos para pessoas em situação de rua na capital paulista, revelou que tais moradias contam com problemas de superlotação, presença de pombas, falta de banheiros e lavanderias, percevejos em colchões, péssimo estado de conservação dos beliches, entre outros. Diante disso, o relatório cobra da Prefeitura medidas que envolvem o aumento efetivo de funcionários nestes locais e mais investimentos em medidas socioeducativas. Segundo matéria publicada na Isto É Dinheiro, o problema mais destacado no relatório certamente foi a quantidade de pessoas por serviço e quarto: alguns equipamentos chegam a ter 190 pessoas no mesmo quarto, enquanto outros complexos apresentam mais de 1000 pessoas, quando o limite máximo previsto pela Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais é de 50 pessoas por unidade e 4 pessoas por quarto.
Leia a matéria completa através do link: https://www.istoedinheiro.com.br/moradores-de-rua-de-sp-convivem-com-doencas-percevejos-e-superlotacao-em-abrigos/
Baixe o relatório aqui: https://www.saopaulo.sp.leg.br/wp-content/uploads/2019/12/Relat%C3%B3rio-Final-CDH-Visitas-a-Equipamentos-de-Acolhimento-para-a-PopRua.pdf

Vale a pena conferir o texto de Luanna Teofillo para site Efigenias. Nele, a autora defende a seguinte afirmação: “Nem comunismo nem capitalismo, o sistema econômico brasileiro é o Racismo Econômico”. O ponto de partida da autora é a pergunta de por quê o sistema econômico brasileiro não muda e continua a apresentar discriminação sistemática, ainda que a população negra tenha apresentado, nos últimos anos, poder de compra e transformação social. Para entender esse panorama, ela aborda o conceito de Racismo Econômico, por ela definido como “uma inversão dos valores capitalistas onde qualquer escolha racista se sobressai a uma escolha puramente capitalista. […] Note que os meios de produção pertencem a casta social dos brandos há quase 500 anos, causando subdesenvolvimento econômico para a população preta impedida por lei de ter propriedades por quase um século […]. Que capitalismo poderia ser este sem propriedade privada, livre iniciativa, livre mercado e consumidores? […] No Racismo Econômico, ganhar dinheiro é apenas um resultado de ser racista, sendo menos importante que este”.
Confira o texto na íntegra: http://www.efigenias.com.br/2018/12/o-racismo-economico.html?fbclid=IwAR3r5DXGkEdd4NlIcAKMdtDAw97IIs14Nrin_50UKRV3oYMpmO2sT5q4_0k

Já na França, a fundação Abbé-Pierre denunciou o agravamento da crise imobiliária no país. O assunto é um dos principais temas da campanha para eleições municipais em muitas cidades, começando com Paris. De acordo com a matéria publicada no site do jornal l’Opinion, há anos que o problema está sob o tapete, uma vez que os Sans-abri (“os desabrigados” – termo em francês, também utilizado para se referir a população em situação de rua), não são contados em nível nacional desde 2012. Para os franceses, essa pesquisa é difícil de realizar por várias razões. Dentre elas, o fato de que os Sans-abri vivem uma situação de invisibilidade para as autoridades e agências de ajuda. Além disso, o Instituto de Estatística antecipa uma dificuldade que surgiu com a crise migratória de 2015 – o questionamento de públicos que não falam francês e, portanto, não conseguiriam responder o questionário utilizado em uma investigação futura.
Acesse a matéria completa: https://www.lopinion.fr/edition/economie/abris-pauvrete-lacunes-statistiques-facheuses-210240

Ficamos por aqui. Como sempre, esperamos que vocês tenham gostado da seleção de notícias e textos dessa semana! Até breve!

ADITIVO AO EDITAL UnB/CEAM/NESTRA/OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE N°05/2019. PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES PARA O CURSO DE EXTENSÃO DO PROJETO SAÚDE POP RUA.

O Núcleo de Estudos Estratégicos do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares e o Observatório da Juventude (NESTRA/CEAM), da Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Ministério da Saúde, torna pública a prorrogação das inscrições, no âmbito do Distrito Federal, para o Curso de Extensão – modalidade à distância, do Projeto de Capacitação para Profissionais da Saúde envolvidos com a População em Situação de Rua, com foco na População Negra – Saúde Pop Rua.

ITENS RELATIVOS AO CURSO DE EXTENSÃO REVISTO NO EDITAL:

Item 2: Inscrições

2.1 Será admitida a inscrição somente via internet. A inscrição deverá será efetuada por meio de link disponibilizado na página https://projetosaudepoprua.org/, com vagas em aberto até completar 600 inscrições, observado o horário oficial de Brasília/DF. Sob hipótese alguma serão aceitas inscrições realizadas por quaisquer outros meios.

Item 5: DO CRONOGRAMA

➢ Prazo limite para as inscrições: Até completar 600 inscrições.
➢ Resultado final: previsto para Março de 2020.
➢ Início do curso: quanto aos procedimentos de matricula, data de inicio do curso, e outras informações os candidatos (as) selecionados (as) serão comunicados (as) através do e-mail informado no ato da inscrição.

Os demais itens do Edital UnB/CEAM/NESTRA/OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE N°05/2019, para o Curso de Extensão, ao qual se refere a prorrogação deste aditivo, continuam inalterados. ACESSE AQUI

Se Liga na Rua! – SEMANA #19

Autoras: Urânia Flores e Daniela Linkevicius

É chegada a hora de nos informamos sobre o que está acontecendo com a População em Situação de Rua no Brasil e no mundo, através de mais um Se Liga na Rua!

Essa semana vamos dar uma olhada em materiais que já foram produzidos sobre o tema, ver pesquisadores brasileiros estão pensando em como lidar com esse panorama e tentar entender um pouco mais sobre como outros países estão lidando com a Pop Rua.

Em 2018, os alunos de medicina de Universidades de São Paulo e Paraná, em conjunto com o Movimento Nacional da População em Situação de Rua (MNPR) e de outros militantes e profissionais envolvidos com a rua, publicaram a cartilha “Saúde da População em Situação de Rua. A cartilha foi idealizada no Encontro Regional dos Estudantes de Medicina (EREM), no ano de 2017. O objetivo da cartilha foi divulgar as ricas discussões ocorridas ao longo do evento para além da academia, relacionando os conhecimentos sobre as necessidades da População em Situação de Rua. Por isso, a cartilha traz, dentre outras coisas, um diagnóstico sobre a Pop Rua, além de relatos de membros do movimento (e ex-moradores em situação de rua) e trabalhadores dos Consultórios na Rua (CnR).
Para baixar a cartilha, acesse: https://drive.google.com/file/d/1Xe_McrziALQC0EyNXyj9ClkRlAhYugol/view

Já o Jornal da USP publicou uma entrevista com a Professora Renata Bichir, professora de Gestão de Políticas Públicas da Escola de Artes, Ciência e Humanidades (EACH), da Universidade de São Paulo (USP). Na entrevista, foram debatidas possíveis soluções para lidar com a realidade da População em Situação de Rua em São Paulo, principalmente após a Prefeitura da cidade divulgar um censo em que constata o enorme salto no número de pessoas em situação de rua, entre 2015 e 2019. A professora entende que o plano de ação proposto pela prefeitura, chamado de “Pode Entrar”, que aplicará recursos para um novo programa habitacional, poderá gerar menos segregação e ocupar espaços já existentes. Entretanto, é necessário cuidado para não ocupar espaços em estado precário.
Ouça a entrevista completa: https://jornal.usp.br/atualidades/solucao-para-moradores-de-rua-depende-da-articulacao-de-politicas-publicas/

Já no que diz respeito a políticas públicas para a População em Situação de Rua na Alemanha, o governo iniciou uma iniciativa para melhorar as políticas em Berlim, algo que instituições e assistentes sociais solicitam há anos. Em 2019, um estudo revelou que o número de pessoas em situação de rua está em ascensão no país. Tal iniciativa envolveu uma contagem realizada por voluntários e liderada por um profissional que ou tenha experiência com Pop Rua, ou que anteriormente esteve em situação de rua. Importante destacar que os voluntários foram previamente instruídos com relação a código de conduta necessário para tal ação – eles não tinham permissão para olhar dentro das barracas, tirar fotos ou acordar alguém. O ministro Elke Breitenbach afirmou que a importância da ação reside principalmente no fato de que a cidade de Berlim não tem números concretos sobre a População em Situação de Rua, apenas estimativas. Além disso, o governo pretende descobrir qual o perfil dessa população, pois pesquisas anteriores revelaram que mais da metade eram imigrantes, não pertencentes a União Européia. Por isso, o questionário foi idealizado em 14 línguas.
Leia a matéria na íntegra através do link: https://www.dw.com/en/berlin-carries-out-first-homeless-census/a-52145522

Essa edição do Se Liga na Rua fica por aqui. Esperamos que vocês tenham gostado da seleção desta semana! Até logo!

Se Liga na Rua! – SEMANA #18

Autoras: Urânia Flores e Daniela Linkevicius

E aí galera, como vocês estão? Vamos começar mais um Se Liga na Rua?

Essa semana vamos falar um pouquinho sobre conquista de direitos, violência e busca por conhecimento não só sobre a População em Situação de Rua, mas também sobre a População Negra. Sempre fazemos questão de lembrar que a População Negra constitui a maioria da Pop Rua em nosso país…então, a atenção deve ser redobrada.

Em Curitiba, a 5a vara da Fazenda Pública expediu uma liminar que proíbe a Prefeitura da Cidade, a Fundação de Ação Social (FAS) e a Cavo Serviços e Saneamento de recolher ou apreender os pertences de pessoas em situação de rua que não estejam em estado de abandono. A liminar também determina que todos os agentes do município que atuarem com abordagens à Pop Rua, deverão estar devidamente identificados, sob o risco de pagar uma multa de R$ 500,00 para cada descumprimento da decisão. Outro ponto importante desta liminar é a solicitação que de a Prefeitura promova políticas habitacionais como carro chefe para o desenvolvimento de políticas públicas para a População em Situação de Rua na cidade.
Para saber mais, acesse: https://ricmais.com.br/noticias/dia-a-dia/bens-pessoas-em-situacao-de-rua-nao-poderao-ser-recolhidos-curitiba/

Apesar das conquistas, a taxa de violência contra pessoas em situação de rua não para de crescer. O Ministério da Saúde publicou um Boletim Epidemiológico que analisa as notificações de violência contra População em Situação de Rua, entre os anos de 2015 e 2017. Nesse período, o país registrou 17.386 casos, sendo que o número considera apenas os casos que foram motivados pelo fato da vítima estar em situação de rua. Além disso, a maioria das vítimas eram jovens mulheres, de 15 a 24 anos, pretas ou pardas. Sobre o preconceito contra Pop Rua, o portal GGN ainda destaca que a cidade de São Paulo vem apresentando cada vez mais casos de discriminação: em outubro de 2019, os moradores do bairro da Mooca realizaram um abaixo assinado a fim de que o Centro Temporário de Acolhimento (CTA) Mooca 1 fosse fechado, com a justificativa de que a presença de pessoas em situação de rua no local era responsável pelo aumento de crimes.
Para ler a notícia completa e ter acesso ao Boletim Epidemiológico, acesse: https://jornalggn.com.br/violencia/em-3-anos-brasil-registra-173-mil-casos-de-violencia-contra-populacao-de-rua/

Agora, no que diz respeito a busca por conhecimento, o Geledés publicou uma matéria super bacana a respeito de um guia que contém dezenove fontes de informação especializada em África e africanidades, desenvolvido através de estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), publicado anteriormente na Revista “Ponto de Acesso”, do Instituto de Ciência e Informação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O levantamento foi realizado tendo como base a literatura nacional e internacional da ciência da informação, utilizando sistemas de busca para identificar sites e/ou instituições produtoras ou responsáveis por essas fontes. Outros estudiosos da área e pesquisadores africanos também forneceram informações sobre esse tipo de ferramenta. As fontes foram organizadas em quatro categorias: 1) fontes de informação social e de humanidades; 2) fontes de informação de finanças, estatística e indicadores econômicos; 3) fontes de informação para o desenvolvimento ambiental sustentável; 4) fontes de informação em saúde.
Leia a matéria completa no link: https://www.geledes.org.br/conheca-dezenove-fontes-de-informacao-seguras-sobre-africa-e-africanidades

Esta edição do Se Liga na Rua fica por aqui. Semana que vem estamos de volta com mais notícias e matérias interessantes. Enquanto isso, não fique por fora: que tal aproveitar e ficar de olho sempre que surgir uma notícia sobre a Pop Rua e aproveite para se informar e refletir sobre este panorama!? Até semana que vem!

UnB/NESTRA/CEAM/OBSERVATÓRIO DA JUVENTUDE – RESULTADO FINAL DAS INSCRIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO SIMPLIFICADO Nº 06/2019 PARA SELEÇÃO DE MEDIADORES/TUTORES DO CURSO DE EXTENSÃO DO PROJETO DE CAPACITAÇÃO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE ENVOLVIDOS COM A POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA, COM FOCO NA POPULAÇÃO NEGRA – Saúde Pop Rua.

O Núcleo de Estudos Estratégicos do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares e o Observatório da Juventude (NESTRA/CEAM), da Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Ministério da Saúde, torna público O RESULTADO FINAL do processo seletivo simplificado, edital nº 06/2019 da equipe (cadastro reserva) de mediadores/tutores para o curso de Extensão, para atuar no Projeto Saúde Pop Rua, na modalidade à distância, no âmbito do Distrito Federal. Segue relação do código de inscrição dos candidatos APROVADOS. Os candidatos aprovados serão convocados conforme demanda. ACESSE AQUI

Se Liga na Rua! – SEMANA #17

Autoras: Urânia Flores e Daniela Linkevicius

Sejam bem vindas (os) a mais um Se Liga na Rua!

Voltamos a falar sobre População em Situação de Rua através de notícias e matérias que discutem políticas públicas, saúde, educação, reivindicação por direitos, pesquisas outras propostas importantes na pauta da rua, tanto no Brasil, quanto em outros países. Quando o assunto é a rua, o ano de 2020 já começou movimentado.

Na sexta-feira passada, dia 17 de janeiro, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) contou com a visita de representantes do Ministério Público da Paraíba, da Defensoria Pública Estadual e do Movimento Nacional da População em Situação de Rua (MNPR). O encontro teve o objetivo apresentar e discutir políticas públicas destinadas a População em Situação de Rua em João Pessoa. As ações previstas para 2020 são um seminário sobre o tema, a realização do censo da poprua (em parceria com a Universidade da Paraíba – UFPB), e a implantação do Comitê intersetorial de acompanhamento da execução da política pública para População em Situação de Rua. Ao site da Prefeitura de João Pessoa, o coordenador da Região Nordeste do MNPR, Vanilson Torres, afirmou: ” A reunião foi muito positiva, nos trouxeram várias ações que serão implementadas e acreditamos que haverão mais avanços. João Pessoa é uma cidade avançada, que se preocupa com as pessoas de rua. Foi uma conversa franca, de parceiros”.
Confira a notícia completa através do link: http://www.joaopessoa.pb.gov.br/sedes-e-movimento-nacional-da-populacao-de-rua-se-reunem-para-discutir-acoes/

Já em Porto Alegre, está em andamento o 2o Fórum das Resistências, sob o lema de “Democracia e Direitos dos Povos e do Planeta”. O fórum iniciou no dia 21/01 e suas atividades vão até o dia 25/01. Junto da abertura do Fórum, também ocorreu a XII Marcha Estadual pela Vida e Liberdade Religiosa, que este reivindicou unidade e resistência de vários setores sociais contra o avanço de políticas que minam os direitos de populações em situação de vulnerabilidade, e contra a ascensão da intolerância no Brasil e no mundo. Um dos movimentos sociais presentes foi justamente o MNPR. Em entrevista concedida ao Brasil de Fato, Alexandre Flores da Rocha, apoiador do movimento, declarou: ” O povo da rua não tem nenhuma política pública, está à mercê, se não é o movimento apoiar, vão ser todos entregues a igrejas pentecostais. Mesmo estando nas ruas, são cidadãos, precisam de uma política pública que dê saúde, educação e moradia, não é só jogar a margem da sociedade. […] Na rua não tem só drogado ou vagabundos, como todo mundo rotula, tem muita gente boa que a gente não sabe o que aconteceu com ela”.
Acesse a matéria na íntegra: https://www.brasildefato.com.br/2020/01/22/marcha-abre-forum-social-das-resistencias-unida-a-luta-contra-intolerancia-religiosa/

Já em Cádiz, na Espanha, um novo censo da População em Situação de Rua demonstrou que a idade média desse segmento diminuiu: o número de pessoas com 18 anos habitando as ruas cresceu exponencialmente, o que significa que a média baixou de 47,3 anos em 2017, para 43,2 em 2020. Ao mesmo tempo, estudos realizados pela Fundácion Municipal de la Mujer, perceberam uma polarização em termos de idades, ou seja, há principalmente pessoas abaixo dos 29 anos e acima dos 64 anos. Sobre esse panorama, a conselheira de Serviços Sociais, Helena Fernández, enfatizou que nos últimos anos ocorreu uma onda de menores imigrantes que atingiram a maioridade mas permaneceram nas ruas. Apesar disso, a taxa de pessoas em situação de rua espanholas e imigrantes é praticamente equivalente. Já a quantidade de mulheres também deu um salto: enquanto há uma década atrás elas representavam cerca de 5% da População em Situação de Rua, agora elas já passam a ser 15,5% do total.
Leia a matéria completa no site do Diario de Cadiz: https://www.diariodecadiz.es/cadiz/jovenes-mujeres-hogar-Cadiz_0_1428157425.html

Ficamos por aqui. Esperamos que nossa seleção de matérias tenha provocado reflexões interessantes sobre a temática da poprua! Semana que vem tem mais, até lá!

Se Liga na Rua! – SEMANA #16

Autoras: Urânia Flores e Daniela Linkevicius

O Se Liga na Rua está de volta!

Mais uma quinta-feira chegou e vocês já sabem que é dia do Se Liga, não é? Hoje temos várias coisas bacanas para discutir – desde o modelo do CAPS, até pessoas em situação de rua que estão na luta para tentar conquistar não só melhores condições, mas entender o que é viver na rua, agindo como pesquisadores sociais.

Começamos com um texto muito interessante do site Rede Humaniza SUS, que tenta explicar o que é o CAPS – Centros de Atenção Psicossocial, serviço comunitário e gratuito do SUS que substitui a internação psiquiatra. O CAPS, apesar de sua importância, ainda é pouco entendido pela população de um modo geral, ainda acostumada ao antigo modelo manicomial: “Bem diferente dos antigos manicômios cercados de altos muros, os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) surgiram como espaços que buscam o tratamento interdisciplinar de pessoas com transtornos mentais graves, como a depressão, bipolaridade e dependência química. Os funcionários não utilizam uniformes ou jalecos, o ambiente é tomado pelo colorido das peças produzidas nas oficinas de arte. Nesse espaço, a conversa e a troca de saberes fazem parte do dia a dia”. O tratamento no CAPS é indicado por um médico clínico geral, mas também pode ser iniciado após uma busca espontânea por parte do indivíduo, que frequenta o local após realizar análises feitas por uma equipe multiprofissional. Importante destacar também que o modelo humanizado do CAPS busca o envolvimento não apenas da pessoa que está em tratamento, mas também de sua família, oferecendo grupos de apoio terapêutico e psico-educacional, já que o vínculo entre paciente-família tem papel crucial na busca por uma segunda chance de continuar a luta.
Para conferir o texto completo (e mais uma entrevista com a terapeuta ocupacional Ana Lúcia Alves Urbanski), acesse o link: http://redehumanizasus.net/caps-um-modelo-humanizado-de-cuidar-da-saude-mental/ .

Além disso, vale o vídeo disponível no canal do YouTube Ponte Jornalismo, em que diversos pesquisadores sociais foram entrevistados e falaram um pouco sobre a População em Situação de Rua. Esses pesquisadores sociais tem uma posição importante dentro deste debate, uma vez que eles próprios foram ou ainda são pessoas em situação de rua. Luiz, um dos pesquisadores, afirma que para realizar este tipo de pesquisa, a pessoa precisa de empatia: “Em primeiro lugar, o pesquisador social precisa ter tato para mexer com o morador de rua, porque para você chegar num morador de rua você precisa se igualar a ele; é você ouvir a situação em que ele se encontra (no entanto, eu já sei, eu já passei por isso), mas o que importa para nós é o que ele tá sentindo, o que ele tá passando, o que ele tá vendo, o que ele precisa. Fazer essa pesquisa, relatar essa pesquisa, […] para que […] o comitê ou os direitos humanos possa fazer uma política justa, para que seja incluída para o bem do morador de rua, para que a situação dele melhora”.
Veja o vídeo na íntegra:

Fiquem de olho também na 325a Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (CNS), que ocorrerá entre os dias 22 e 24 de janeiro, em Porto Alegre (RS). O encontro reunirá conselheiros e conselheiras para discutir a saúde do país e é aberto ao público. Ele também está dentro da programação do evento internacional Fórum das Resistências. Entre as pautas previstas, estão os Consultórios na Rua, o encontro com a liderança indígena Raoni Metuktire, e a discussão sobre os altos índices de violência contra as mulheres e as consequências de tais atos em suas vidas.
Para mais detalhes, acesse: http://www.susconecta.org.br/325a-reuniao-ordinaria-do-cns-acontecera-durante-forum-social-das-resistencias-em-porto-alegre/

Por último, trazemos uma matéria publicada no jornal britânico The Guardian, a respeito do despejo de mães que estavam habitando uma casa que há dois anos permanecia desocupada em Oakland, Califórnia (EUA). Segundo a reportagem, três mães foram presas, além de duas pessoas de organizações filantrópicas que tentavam prestar suporte as mulheres. Essas famílias moravam na casa desde 18 de novembro de 2019. Mesmo sabendo que não tinham condições financeiras para alugá-la, elas tinham a intenção de permanecer no local, já que a cidade enfrenta uma crise imobiliária em que cerca de 15.500 casas estão vagas, enquanto 4.71 pessoas estão desabrigadas. De fato, o estado da Califórnia apresenta um problema generalizado de propriedades vagas – cerca de 8% de todas as unidades habitacionais permanecem desocupadas. Segundo a advogada Leah Simon-Weisberg, o que ocorre é uma crise imobiliária que está sendo impulsionada por especuladores e acabou criando um mercado falso, onde as pessoas com dinheiro compram propriedades não para habitá-las, mas para vender – e pessoas da classe média não podem comprá-las.
Leia a reportagem completa em: https://www.theguardian.com/us-news/2020/jan/15/moms-4-housing-oakland-homelessness-eviction

RESULTADO FINAL DAS INSCRIÇÕES RELATIVAS AO PROCESSO SIMPLIFICADO Nº 01/2020 PARA SELEÇÃO DE MEDIADORES/TUTORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO PROJETO DE CAPACITAÇÃO PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE ENVOLVIDOS COM A POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA, COM FOCO NA POPULAÇÃO NEGRA – Saúde Pop Rua.

O Núcleo de Estudos Estratégicos do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares e o Observatório da Juventude (NESTRA/CEAM), da Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Ministério da Saúde, torna público O RESULTADO FINAL do processo seletivo simplificado, edital nº 01/2020 da equipe (cadastro reserva) de mediadores/tutores para o curso de Especialização, para atuar no Projeto Saúde Pop Rua, na modalidade à distância, no âmbito do Distrito Federal. Segue relação do código de inscrição dos candidatos APROVADOS. Os candidatos aprovados serão convocados conforme demanda: ACESSE AQUI